Saturday, January 20, 2018

Retrospectiva




Em algum lugar um canário canta, um outro morre e ninguém fica sabendo. A vida acontece à revelia, simplesmente acontece.

É preciso elaborar perdas e derrotas; é preciso elaborar conquistas e vitórias. É preciso elaborar. Deixar cada coisa no seu lugar, mesmo que esse lugar já tenha passado.

Pessoas vem e vão, o tempo esculpe rugas. Festejando chegadas ou chorando despedidas, colecionamos momentos. Nos acostumamos aos sonhos, à eterna esperança do evento que mudará nossas vidas, às casualidadee planejadas.

Calendários e distâncias se fazem saudades; fotos e mensagens, por mais que digam, nunca me disseram nada que substituisse um abraço. Mudar é não se importar mais; adaptar-se é aprender a viver com a ausência. E um refazer de malas nos leva a rever prioridades, encontrar novos caminhos..

O futuro pisará as pedras que assentamos hoje.

Somos todos construtores de histórias.

.

Thursday, January 11, 2018

Trilha sonora italiana - Ivano Fossati



Ivano Fossati é um músico completo. Instrumentista poliédrico, cantor e compositor, nasceu em Gênova, em 1951 e passeou por diversos ritmos musicais. Sua última fase foi introspectiva, com letras elaboradas. Sim, “foi”. Retirou-se do cenário musical em 2012, publicou um romance em 2014.

Foi num talk show em 2011, durante a entrevista para para a apresentação do disco mais recente – e que seria o último – que Fossati anunciou, para surpresa do apresentador Fabio Fazio e do público presente, que não mais produzir outros discos nem apresentar-se em público.

Fossati - «Pensei, não nestes últimos dois dias, mas em dois ou três anos, que não farei mais outros discos, shows.»
Fazio - «Fim da carreira?»
Fossati - «Sim. Trata-se de uma decisão serena, tomada num período longo. Eu sempre achei que, na minha idade, gostaria de mudar. Sempre me questionei se no disco seguinte poderia garantir a mesma paixão que me trouxe até aqui. Não acredito que poderia fazer algo que possa somar qualque coisa ao que fiz até agora. O próximo tour será o último.»

E assim a Itália musical perdeu um dos compositores mais respeitados, com apenas 61 anos.

Vez ou outra, compõe para algum intérprete, faz um solo de guitarra ou violão para o disco de algum amigo. Palco, nunca mais.

Conheça e consuma a obra registrada em discos, cds e Internet. Boa audição!






Site oficial: www.ivanofossati.it 



La mia banda suona il rock

La musica che gira intorno

L’amore fa

Carte da decifrare

Settembre

C’è Tempo

Saturday, December 23, 2017

Almoço de Natal na Itália

O almoço do dia 25 de dezembro é o momento mais esperado nesse período de festas. Cada região italiana, cada cidade, cada família, cultiva as próprias tradições. O importante é estar à mesa no dia de Natal na companhia de parentes e amigos. E se entupir de comida e vinho.

Se a ceia da véspera deve ser espartana e contida, o almoço do dia seguinte compensa todo o recolhimento do mistério e da espera do porvir. Na ceia do dia 24 não entra carne, mas uma massa recheada com leveza e parcimônia, muitas vezes com ricota e espinafre. Pouca, em respeito à miséria da manjedoura.

O almoço de Natal, ao contrário, deve ser abundante e longo. Canapés diversos como antipastos, onde o de camarão com gelatina vai estar sempre presente, panettone gastronomico (um panetone sem frutas cristalizadas fatiado em camadas e recheado com maionese e muita imaginação – do qual sempre mantive distância), torradinhas, embutidos e “mostarda” (frutas cristalizadas em xarope doce com um pouco de mostarda em pó). Passada a primeira hora, hora e meia, serve-se um prato de massa recheada. Em Piacenza a tradição pede um caldeirão de anolini in brodo. Anolini é similar ao cappelletti ou ao ravioli, dependendo da massaia (a que faz a massa), só que se chama anolini. Deve ser recheado com carne cozida (stracotto) na panela, pão e queijo grana. À parte, prepara-se o brodo de carne, com carne de vaca, galo capão, cenoura, salsão, cebola e tempêros. Serve-se a massa num prato fundo, boiando em meio a muito brodo. Prepare-se, pois a carne cozida para o brodo vai se apresentar como segundo prato, provavelmente acompanhado de uma carne assada e depois da lasanha. Vinho, muito vinho. Tiramisù, tartufo e algum pudim irão anteceder o panetone e o pandoro, talvez com um pouco de sorvete.

As horas passam, o almoço está em processo digestivo, o vinho subiu um pouco e as frutas secas são servidas. Limoncino, licores vários, grappa, café e uma vontade louca de deitar no sofá impedem uma completa compreensão do argumento tratado entre sorrisos, do mundo, da vida. Ninguém lembra mais o motivo da festa, o que importa é estar em companhia, se embriagar junto.

Lá pelo início da noite, uma torta aparece sobre a mesa. Por aqui será uma sbrisolona, uma torta simples com amêndoas, boa para testar próteses dentárias. Claro que deve ser acompanhada de um vinho doce ou um Malvasia. Um espumante também é aceito. O medo de que tudo esteja para recomeçar faz com que as pessoas comecem a levantar da mesa e se despedir. Afinal, todos precisamos passar na casa de alguém, esperando que tenham acabado de comer por lá, também.

Feliz Natal!